Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Anúncio Antigo 43: Rita Hayworth




"Nunca existiu uma mulher como Gilda." Esta era a frase contida nos cartazes que anunciavam o grande sucesso cinematográfico de Rita Hayworth e que tinha como título "Gilda". A película foi lançada em 1946, no auge da beleza da atriz, tornando-a o rosto mais conhecido das telas. Claro, ela também representava o sonho do público masculino. Contudo, anos depois, a atriz diria em tom melancólico: "Os homens que eu tive iam para a cama com Gilda e acordavam comigo". Bem, histórias como essa veríamos em outros casos de estrelas que se tornaram símbolos de beleza e de sensualidade. A vida real é sempre diferente do que se vê nos filmes.
Por outro lado, como vemos no Anúncio Antigo de hoje (na imagem acima), a publicidade soube se aproveitar muito bem da beleza dessas atrizes. O cinema norte-americano e a propaganda tiveram uma evolução paralela, sobretudo a partir da década de 1930, quando os filmes passaram a ser sonorizados. Até esse momento, o grande alcance das películas produzidas em Hollywood, no subúrbio da cidade de Los Angeles (capital do estado da Califórnia), era o próprio mercado norte-americano e, em menor escala, o europeu. Com a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e a política de "boa vizinhança" desenvolvida pelo presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt, cuja finalidade era de obter uma maior aproximação com a América Latina, os filmes produzidos em Hollywood ganharam maior popularidade ao sul da linha do Equador, inclusive aqui no Brasil. Era uma alternativa ao fechamento da Europa dominada pelos países do Eixo (Alemanha, Itália). Até mesmo astros europeus foram levados para Hollywood, como parte da estratégia de enfraquecer o nacionalismo dos inimigos. O caso mais célebre foi o da atriz alemã Marlene Dietrich, que não atendeu aos apelos de Hitler para permanecer em seu país natal. 
Junto com os filmes veio a indústria da moda, dos alimentos industrializados, dos eletrodomésticos e dos cosméticos. Muitos hábitos até então estranhos aos trópicos começaram a chegar, como as calças jeans e a Coca-Cola, que desembarcou por aqui em 1942. Além disso, os filmes fotográficos da Eastman Kodak, os rádios da marca Zenith, os óculos Ray-Ban da Bausch & Lomb, a pasta de dente Kolynos e os sabonetes da Lever. E para lembrar: nove entre dez estrelas de cinema usam o sabonete Lever. Para muitos sociólogos e historiadores, tratou-se de um verdadeiro imperialismo econômico e cultural, muitas vezes tendo o cinema e os astros de Hollywood como "garotos-propaganda" desses produtos. 


Bem, no Anúncio Antigo de hoje trata-se de uma garota-propaganda: Rita Hayworth (na foto acima, em uma cena do filme "Gilda"). O seu nome verdadeiro era Margarita Carmen Cansino, nascida em Nova Iorque em 1918, filha de um dançarino espanhol de flamenco chamado Eduardo Cansino e de Volga Haworth, de origem irlandesa e que lhe emprestou o sobrenome quando Margarita chegou ao estrelato. 
Rita veio de uma família de artistas ligados à dança. O seu avô, Antonio Cansino, foi um dos maiores mestres da dança espanhola. Os pais mantinham uma escola de dança e se estabeleceram em Los Angeles. Vários astros de Hollywood chegaram a tomar aulas na escola, inclusive claro, a própria filha do casal. Com a crise de 1929 e a depressão econômica a escola faliu. Foi então que os pais de Margarita Cansino resolveram introduzir a filha nos shows musicais. Mas existia um problema, Margarita era menor de idade, o que levou seu pai a apresentar a filha em shows do outro lado da fronteira com o México. Reza a lenda que, em um desses shows, ela teria sido observada por um diretor da 20th. Century Fox, que a levou para Hollywood e acertou um contrato para a jovem aparecer em alguns filmes, todos em pequenos papeis. Agora ela era Rita Cansino. O seu contrato não foi renovado pela Fox. Mas o seu empresário Edward Judson, que seu tornou também seu marido, a apresentou a Harry Cohn, o chefão da Columbia Pictures. Nesse momento, as portas do estrelato começaram a se abrir para a jovem Rita Cansino de apenas 18 anos.


Rita Cansino? O seu nome soava hispânico demais! Foi aí que, emprestando o sobrenome da mãe, surgia Rita Hayworth (na foto acima, a atriz em 1930, ainda sem ter os cabelos tingidos e usando o nome artístico de Rita Cansino). Mas não foi só isso. A jovem atriz passou por uma dolorosa eletrólise (corrente elétrica) para aumentar a testa e pintou os cabelos de ruivo. Ah, ainda acrescentou um "y" ao sobrenome da mãe, para carregar no tom anglo-saxônico. Pronto? Ainda não. 


Rita passou mais de cinco anos realizando pequenos papéis, sendo emprestada a outros estúdios (Warner e Fox). Só em 1941, parecia que, finalmente, a aposta da Columbia começava a vingar. Rita Hayworth ganhou destaque no filme "Sangue e Areia", por ironia emprestada ao estúdio da Fox que a demitira seis anos antes. Nesse drama passado em meio às touradas de Madri na Espanha, no início do século XX, Rita se transformava em sex symbol. Na sequência vieram musicais ao lado de Fred Astaire e Gene Kelly (na imagem acima, Rita aparece no filme "Modelos" de 1944 junto com Gene Kelly). 


Mas, o seu grande êxito cinematográfico veio com o já citado "Gilda" ao lado do ator Glenn Ford, o qual vive o personagem Johnny Farrell, que dirige um cassino clandestino dentro de uma casa de shows em Buenos Aires na Argentina. O empresário proprietário do local vive com uma mulher, a Gilda que dá título ao filme (no fotograma acima, Rita Hayworth insinua um streap tease ao som da canção Put the Blame on Mame). A partir daí surge uma trama estranha e ambígua. 


Johnny e Gilda já tiveram um caso no passado e, ao que parece, o dono do cassino sabia disso e parecia aceitar o romance entre os dois. Esse estranho triângulo se passa quase completamente em ambiente fechado, em uma irreconhecível Buenos Aires montada em estúdio. Um típico filme noir (drama em preto e branco), mas que transformou Hayworth em mulher fatal e a estrela maior de Hollywood.  


Até o início da década de 1950, Rita Hayworth brilhou no cinema em vários sucessos, como "Os Amores de Carmen" (de 1948 e ao lado novamente de Glenn Ford), "A Dama de Xangai" (1948 com o seu novo marido, o ator e diretor Orson Welles), "A Mulher de Satã" e "Salomé" (ambos de 1953). Sobrou até um tempinho para a atriz aparecer no carnaval carioca em 1962 (na foto acima, a atriz ao lado do playboy brasileiro Jorge Guinle). Seu ultimo grande sucesso no cinema foi "Meus Dois Carinhos" (1957) ao lado de Frank Sinatra. Daí em diante veio o lento declínio, mas não a ausência das telas, onde manteve-se até 1972. 


Na vida privada foram cinco casamentos, todos terminados em divórcio, inclusive o que mais causou sensacionalismo nos jornais e revistas, a sua união com o príncipe Ali Khan (de origem paquistanesa, mas nascido na Itália). Dos seus últimos anos de vida (na foto acima, Rita Hayworth em 1976) fizeram parte o álcool, as brigas com a filha Yasmin (do casamento com Ali Khan) e uma doença que, através dela, ficou conhecida em todo o mundo: o Mal de Alzheimer. Foi em razão das complicações dessa moléstia que Rita Hayworth faleceu em 1987. 
Como se pode perceber, muitas vezes, a vida é pior do que a arte. O Anuncio Antigo de hoje foi publicado no jornal "O Estado de S. Paulo" de 07.01.1945. 
Crédito das demais imagens: 
Fotos do filme "Gilda" (inclusive o cartaz original) e de Rita Hayworth ao lado de Gene Kelly no filme "Modelos": DVD Gilda da Columbia Pictures.
Foto de Rita Hayworth no carnaval carioca: Acervo Estadão.
Fotos de Rita Hayworth em 1930 e 1976: site Pinterest. 






quarta-feira, 6 de julho de 2016

Nair de Teffé: Bela, Culta e Avançada



A República do Brasil nunca mais teve uma primeira-dama como Nair de Teffé! Caricaturista, pintora, atriz, cantora, pianista, escritora e poliglota (falava seis línguas), Nair exerceu atividades tidas como pouco convencionais para uma representante feminina da elite brasileira no início do século XX. Como se costuma dizer: uma mulher à frente de seu tempo. E que tempo! Estamos nos referindo à Primeira República, também conhecida como República Velha (1889-1930). Época conturbada em todos os sentidos, apesar de ser designada como a belle époque brasileira. Rebeliões nos estados, Revolta da Vacina, a Revolta da Chibata, Guerra do Contestado, embates nas escolhas dos candidatos a presidente... Na verdade, era uma belle époque restrita a alguns centros urbanos desenvolvidos, entre os quais a capital, Rio de Janeiro e a cidade de Belém, no Estado do Pará, esta última em função da economia da borracha. No momento em que a Europa estava às vésperas da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o Brasil ainda era um país que buscava uma identidade como nação e dava os primeiros passos em direção a um processo de industrialização.
Em 1912, a maior parte da população brasileira, aproximadamente 24 milhões de habitantes, ainda vivia na zona rural dependente da economia primária de exportação ou de atividades de subsistência. Era a época do domínio dos coronéis (grandes fazendeiros), tanto a nível social como na política. Contudo, nas cidades mais importantes, como o Rio de Janeiro, as classes populares começavam a ter uma maior notoriedade, sobretudo por meio de suas manifestações culturais. Inicialmente ignoradas pelas elites sociais, os novos ritmos musicais, como o samba, o maxixe, modas de viola, entre outros, rompiam os limites das periferias, dos morros e ganhavam maior aceitação, até mesmo dentro da residência presidencial. Para que isso ocorresse, algumas iniciativas foram importantes e sem dúvida uma das mais lembradas foi a da primeira-dama Nair de Teffé, esposa do presidente e militar, Marechal Hermes da Fonseca, que governou o Brasil entre 1910 e 1914. 



De origem aristocrática, Nair de Teffé nasceu no Rio de Janeiro (algumas fontes citam Petrópolis) em 1886, filha do almirante Antonio Luís Hoonholtz, Barão de Teffé e neta do Conde Von Hoonholtz. Uma curiosidade, foi a primeira mulher com o nome Nair registrada no Brasil! Nair foi enviada ainda criança para estudar na Europa, acompanhando o pai que era diplomata. 



Estudou em escolas católicas da França, como nos conventos de Assunption, Fideles Compagnie de Jésus, Saint Ursuline e na conhecida escola Vivaudy, localizada na Riviera Francesa e onde haviam apenas 30 alunas, entre as quais filhas de reis e príncipes (na foto acima, Nair de Teffé em sua primeira comunhão, no ano de 1895). Segundo depoimento da própria Nair de Teffé ao jornal O Estado de S. Paulo em 1979, a aptidão para a caricatura foi descoberta aos nove anos, quando estudava no convento Saint Ursuline, ainda na França. Nair fez uma charge da freira professora, que tinha um nariz comprido e que a jovem considerava bom para desenhar. Após ser descoberta pela madre superiora, e como acontecia em uma boa escola católica, Nair foi colocada de castigo em um quarto escuro durante oito horas! Mas isso não intimidou a jovem estudante, que aperfeiçoou a sua arte e se tornou a primeira caricaturista mulher do Brasil (e possivelmente, do mundo). 


Os pais de Nair de Teffé ( na foto acima, Nair sendo retratada pelo pintor francês Guiraud de Scevola) só vieram a descobrir a respeito do talento da filha como caricaturista, quando da visita de uma amiga da família, conhecida como Madame Carrier. Obrigada a permanecer na sala com a convidada por quase duas horas, Nair se viu obrigada a conversar sobre cozinha, algo que a mesma detestava. Segundo o próprio depoimento de Nair:
- Foi terrível porque a unica coisa que eu gosto da cozinha é a comida.
Após a visita ter ido embora, Nair correu ao quarto para fazer uma  caricatura da nobre senhora e mostrou a mesma aos pais, que não apreciaram muito a indisciplina. Como castigo ficou sem a sobremesa no jantar!



Após o retorno ao Brasil, em 1905, Nair de Teffé desenvolveu o seu lado artístico (na imagem acima, caricatura publicada na revista Fon Fon! em 31.07.1909). Além do talento para o desenho, Nair de Teffé era apaixonada pelo teatro e chegou a ser reconhecida como uma atriz de talento. Também apreciava a musica popular, gostava de tocar violão, um instrumento visto pela elite carioca como "coisa do populacho" e para contrariar ainda mais a sociedade da época, frequentava o Bar do Jeremias, reduto dos boêmios e intelectuais. Para se ter uma ideia do preconceito que existia contra o violão, carregar o instrumento na rua poderia render até uma prisão por "vadiagem". 


Em 1910, aos 24 anos de idade, Nair (na imagem acima, desenho executado por Nair nessa época) ficou conhecida na imprensa como caricaturista e colaborava em publicações famosas como Gazeta de Notícias, Careta, Fon-Fon!, O Malho, Gazeta de Petrópolis, Vida Doméstica, Le Rire, Fantasio e Excelsior, sendo estas três últimas francesas. Suas caricaturas eram apreciadas pelos traços modernos e por retratar de forma irônica as figuras de seu tempo. 



Para não chamar tanto a atenção, ela assinava os desenhos com o nome de Rian, Nair ao contrário. Mas isso logo foi percebido (como no desenho acima, feito por volta de 1910).
Em função de possuir habilidades que eram pouco recomendadas para uma mulher do seu meio social, Nair de Teffé enfrentava algumas dificuldades. De acordo com o seu próprio depoimento prestado na citada entrevista de 1979:
- Nas recepções eu era recebida com muita desconfiança pelos homens e com medo pelas mulheres, que por muitas vezes se escondiam atrás dos finos leques.
Nair dizia se divertir com a situação e continuava agindo com irreverência:
- Às vezes meus pais me aconselhavam a deixar a caricatura com medo de que fosse odiada. Isso nunca me intimidou.


E Nair tinha razão! Nada disso foi empecilho para que ela atraísse a atenção da figura mais importante do país, o Presidente da República, que também era militar: Marechal Hermes da Fonseca (na foto acima, sem data). Em 1910, Hermes derrotou o candidato civil à presidência, o baiano Rui Barbosa, discretamente apoiado pelos republicanos paulistas naquela que ficou conhecida como a Campanha Civilista (o civil Rui contra o militar Hermes). A eleição do militar contou com o apoio de Pinheiro Machado, importante líder dos republicanos gaúchos, cuja capacidade de articulação no Congresso Nacional era enorme. A ideia daqueles que apoiaram Hermes era o de apresenta-lo, não como um militar, mas como uma alternativa às demais oligarquias dominantes. Sobrinho do primeiro presidente e líder do golpe republicano de 1889, Marechal Deodoro da Fonseca, pesou sobre o governo de Hermes a dura repressão aos marinheiros da Armada, que se amotinaram contra a imposição dos castigos físicos, resquícios dos tempos da escravidão, na conhecida Revolta da Chibata (ver a postagem Lado a Lado com a História: a Revolta da Chibata, neste blog). 
Mas, voltemos ao casal em questão! Nair de Teffé tinha 27 anos e Hermes mais do dobro de sua idade, 57 no início de 1913. Os dois já tinham se encontrado anteriormente, ainda quando o Marechal Hermes era casado, pois era comum as duas famílias passarem as férias de verão em Petrópolis, sendo que Hermes e o Barão de Teffé costumavam cavalgar juntos. Mas foi poucos meses depois de ficar viúvo de Orsina da Fonseca é que ocorreu a aproximação definitiva. 
Em janeiro de 1913, como narrou depois a própria Nair, o pai avisou a ela da chegada do "trem dos maridos" a Petrópolis. O nome curioso desse trem se devia ao fato de que muitos homens chegavam para encontrar as esposas e outros em busca de uma namorada. Pois o presidente desembarcaria exatamente desse trem! O mesmo pretendia passar um tempo na cidade como forma de esquecer o desgosto pela perda recente da esposa. Nair e seu pai participaram da recepção a Hermes da Fonseca. Nair descreveu o encontro:
- Quando o Marechal desembarcou, achei-o abatido, triste. Quando me viu, notei que seus olhos ficaram diferentes. Apertou a minha mão e olhou-me com viva ternura.
No dia 18 de janeiro, o próprio presidente telefonou para o pai de Nair marcando uma cavalgada para o dia 20, dia de São Sebastião. Hermes da Fonseca apareceu acompanhado de seu filho Euclides, de um ajudante de ordens e de seu cocheiro. O Barão de Teffé veio junto com a filha. Em um determinado momento, Nair se distanciou do grupo e sofreu uma queda. Foi nesse instante que o Presidente acelerou a cavalgada e veio em direção a Nair para socorre-la. Aproveitando a ocasião em que estavam distantes dos demais, Hermes perguntou:
- Machucou-se Mademoiselle?
Ao que Nair respondeu:
- Não!
Foi aí que o Marechal partiu para a investida:
- Antes que cheguem os outros, eu quero lhe falar uma coisa depressa. Tive um sonho, mas acho quase impossível a sua realização. Não devo dizer-lhe...
Nair insistiu para que prosseguisse. Hermes olhando para o chão e encabulado disparou:
- Estou encantado com a beleza de Mademoiselle. Queria fazê-la minha esposa!
Há apenas seis meses o Marechal ficara viúvo e a tradição da época recomendava que o luto fosse guardado por, pelo menos, um ano. Nair pediu seis meses para pensar, mas a resposta veio oito dias depois, com um telefonema dela:
- Eu aceito...


O anuncio oficial foi dado vários meses depois, no dia 17 de setembro de 1913, ainda no período de luto do Presidente. O casamento ocorreu em Petrópolis, no Palácio Rio Negro, em 8 de dezembro do mesmo ano (na foto acima a noiva Nair e o noivo Hermes após a cerimônia religiosa). 



O matrimônio teve uma boa cobertura da imprensa e das revistas da época ( na foto acima, os noivos e convidados após a cerimônia de casamento). 



A cerimônia foi concorrida e se tornou, até hoje, ímpar na história da república brasileira. Hermes da Fonseca tornou-se o único presidente a casar-se (embora em segundas núpcias) durante o exercício de seu mandato. Nas revistas onde Nair de Teffé publicara as suas caricaturas, o casamento recebeu destaque, como na conhecida Fon Fon! (na foto acima, da esquerda para a direita e em primeiro plano, o Cardeal Arcoverde, Nair e Hermes. No alto da escada, ao centro, em uniforme militar, o Barão de Teffé, pai da noiva). 



O acontecimento atraiu a atenção da população local, que se aglomerou na porta do Palácio Rio Negro, para tentar acompanhar de longe o casório (como mostra a foto acima). 


A revista A Illustração Brasileira fez uma foto de capa dos noivos (imagem acima). Nenhum dos filhos do Marechal Hermes compareceu ao casamento. 


Apesar de ter o compromisso do marido de poder continuar a desenhar caricaturas, ao que parece, Nair não exerceu a atividade durante o restante do mandato do Presidente Hermes (na foto acima, a noiva Nair).
A primeira-dama Nair de Teffé transformou o estilo do Palácio do Catete (residência presidencial no Rio de Janeiro), que até então era frequentado por homens sérios e sisudos. Nair promovia saraus e encontros regados a música popular. A introdução do violão nesses eventos foi por sua iniciativa. O Marechal Hermes era amigo e admirador do poeta e compositor Catulo da Paixão Cearense (1863-1946), autor de clássicos como Luar do Sertão e Flor Amorosa. Segundo Nair, Hermes solicitou a ela que o convidasse para um desses saraus. Foi em uma noite do dia 26 de outubro de 1914, quando o Presidente Hermes ofereceu uma recepção aos chefes das missões diplomáticas estrangeiras e integrantes da alta sociedade da época. As modinhas interpretadas por Catulo fizeram o violão tomar parte definitiva dos concertos juntamente com o violino, o violoncelo e o piano. Catulo pediu para que Nair interpretasse uma música composta por Chiquinha Gonzaga (1847-1935) intitulada Corta Jaca, com partitura para piano e violão. Nair convidou também vários amigos para o recital de apresentação do Corta Jaca. Pronto! O evento foi considerado um escândalo e rendeu críticas até mesmo no Senado da República, por parte de uma das maiores figuras da política naquele momento: Rui Barbosa. 


Rui (na imagem acima, caricatura do político feita por Nair de Teffé) teria dito em seu discurso de 7 de novembro de 1914:
- Mas o Corta Jaca de que eu ouvira falar há muito tempo, o que vem a ser ele, sr. Presidente? A mais baixa, a mais chula, a mais grosseira de todas as danças selvagens, a irmã gêmea do batuque, do cateretê e do samba. Mas nas recepções presidenciais o Corta Jaca é executado com todas as honras da música de Wagner, e não se quer que a consciência deste país se revolte, que as nossas faces se enrubesçam e que a mocidade se ria. 



Como vimos, Rui Barbosa foi adversário político de Hermes da Fonseca e também já havia sido alvo das caricaturas de Nair. Mas agora, a própria primeira-dama tornava-se alvo dos outros caricaturistas (na imagem acima, Nair de Teffé e o "pequeno" Hermes, em um desenho de Fritz, feito em 1913). 
Além de enfrentar as críticas de Rui e da oposição, o Marechal Hermes da Fonseca carregava a fama de pé frio e azarado. Momentos depois de uma audiência com o Presidente Afonso Pena, em 1909, na qual entregou o cargo de Ministro da Guerra em protesto contra a indicação de um candidato governista a presidente, Pena sentiu-se mal e veio a falecer. Em visita a Portugal, em pleno banquete oferecido ao rei Dom Manuel II, veio a notícia dada às pressas de que a monarquia portuguesa estava sendo deposta. Em 1912, o Presidente Hermes da Fonseca mandou depositar um empréstimo para o governo brasileiro em um banco russo, que depois foi tomado pela Revolução Bolchevique de 1917! Tudo isso valeu ao Presidente uma série de anedotas e gozações, inclusive na forma de marchinhas, como esta: 

Ai Filomena, se eu fosse como tu, tirava a urucubaca da cabeça do Dudu.


Não pensem que o Presidente Hermes esqueceu-se de sua primeira esposa, Dona Orsina. Conta uma anedota, que toda semana, Hermes da Fonseca ia ao cemitério depositar flores nos vasos do túmulo da falecida. Eram seis vasos, um para cada letra do nome da primeira esposa. Um belo dia, Hermes teria ido ao cemitério e encontrou apenas quatro vasos, dispostos na seguinte ordem: NAIR. Um irado Marechal Hermes mandou chamar o jardineiro e deu-lhe uma enorme bronca. Na semana seguinte, o presidente voltou ao cemitério e encontrou os vasos de volta, mas com as letras na seguinte ordem: RI ASNO!



Nair de Teffé suportou com grande dignidade o último ano do mandato do Presidente Hermes (na imagem acima, uma caricatura feita por Nair do marido Hermes da Fonseca). 



Com o término do mesmo, Nair viajou novamente para a Europa, inclusive para tratar de um problema no quadril, depois de sofrer uma queda quando corria para subir na carruagem onde estava o marido (mais uma "urucabaca" creditada ao Marechal Hermes da Fonseca). Tal acidente a teria deixado com uma perna mais curta que a outra (na foto acima, tirada por Hermes da Fonseca em 1915, Nair na época do acidente). 
De volta ao Brasil em 1921, Nair de Teffé ainda teve que enfrentar os problemas políticos que envolveram o agora ex-presidente Hermes no conflito entre os militares e o presidente eleito Arthur Bernardes, os quais desembocaram na Revolta Tenentista de 1922. O velho Marechal, que era presidente do Clube Militar, chegou a ser preso durante seis meses e depois de libertado, retirou-se definitivamente para Petrópolis, onde faleceu em 1923. Nair sentiu muito a morte do marido e jamais voltou a se casar. Pelo que se sabe, Nair amava de fato o esposo e esteve ao seu lado até a morte. Em defesa do marido, Nair de Teffé escreveu, muitos anos mais tarde, um livro intitulado A Verdade sobre a Revolução de 22
Com 37 anos, Nair de Teffé, muito lentamente, foi retomando a vida social, sem abandonar as suas opiniões avançadas. Em uma entrevista dada em 1924, declarou: 
- Por que permitir ainda que os homens continuem a atrapalhar a vida econômica do sexo frágil... disputando-lhes os empregos e os cargos ao alcance de suas forças e capacidades?
Nair criou em Petrópolis a Academia Petropolitana de Letras e também entrou para a Academia Fluminense de Letras em 1929. Após a morte dos pais em 1930, a ex-primeira-dama do Brasil deixou Petrópolis e foi residir no Rio de Janeiro. Contudo, a herança familiar foi sendo corroída, inclusive no "jogo-do-bixo", que Nair apreciava. Mesmo assim, conseguiu, através de um empréstimo da Caixa Econômica Federal, erguer um prédio em Copacabana, que abrigou o Cine Rian. No entanto, encontrou dificuldades para administrar a sala e enfrentando problemas financeiros, vendeu a mesma em 1946. Conta-se que o vício no jogo levou-a a perder uma ilha localizada em Angra dos Reis, que lhe havia sido deixada pelo marido. Com o pouco que lhe restou, comprou uma casa em Niterói, onde passou a viver reclusa com três filhos adotados: Carmem Lúcia, Tânia e Paulo Roberto. 




Em 1959, Nair de Teffé voltou a desenhar caricaturas, inclusive de personagens contemporâneos, como Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros (respectivamente, nas imagens acima). 



Nem mesmo Fidel Castro escapou das linhas soltas e ágeis de uma já septuagenária Nair de Teffé (na foto acima). 



A essa altura, a ex-primeira dama pagava aluguel para morar e quase foi despejada em 1970 (na foto acima, Nair já idosa). A pensão deixada por Hermes da Fonseca não era mais suficiente para as suas despesas. Nesse mesmo ano, por decisão do presidente Emílio Médici, ela conseguiu receber a pensão integral do ex-marido. Muitos explicam nesse fato os elogios feitos por ela ao general-ditador. 



Em 1979, Nair de Teffé veio a São Paulo para uma derradeira homenagem no II Salão do Humor e Quadrinhos do Mackenzie, promovido pelo Diretório da Faculdade de Engenharia, no Paço das Artes (na foto acima, uma das várias homenagens que recebeu ao final de sua vida). No ano de 1981, no exato dia em que completava 95 anos, Nair de Teffé faleceu. 
Enfim, como dissemos na introdução desta postagem, até hoje, a República Brasileira ficou devendo uma outra primeira-dama tão inovadora como Nair de Teffé. Será que sua história não merece um filme ou uma minissérie em referência aos problemas que as mulheres de hoje ainda enfrentam? Fica aqui a sugestão...
Crédito para o texto: consultas aos jornais O Estado de S. Paulo, edições de 3 de junho de 1971 e 26.10.1967; Folha de S. Paulo (várias edições) e Coleção Nosso Século, pags. 28 e 29.
Crédito das imagens:
Foto de Nair de Teffé de chapéu:
https://comicsfromunderground.wordpress.com/2012/02/28/nair-de-teffe/
Fotos de Nair sendo retratada, dos desenhos de 1910 e 1913 e da caricatura de Nair de 1913: Coleção Nosso Século. Avbril Cultural, 1981, pags. 28 e 29. 
Caricatura feita por Nair no ano de 1913 em p&b:
http://historiahoje.com/nair-de-teffe-as-mulheres-e-a-caricatura-no-brasil/ caricatura de 1909
Foto sem data do Marechal Hermes da Fonseca:
http://www2.planalto.gov.br/acervo/galeria-de-presidentes/hermes-rodrigues-da-fonseca/view
Fotos de Nair de Teffé de perfil e do casamento:
http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,o-casamento-do-presidente-com-a-cartunista,9444,0.htm
Caricaturas de Nair feitas na década de 1950 e do marido Hermes:
http://www.museuhistoriconacional.com.br/mh-g-7.htm
Fotos de Nair de Teffé idosa: http://mulheresquehonramorole.blogspot.com.br/2012/04/nair-de-tefe.html
Fotos de Nair de Teffé na primeira comunhão e em 1915:
https://www.levyleiloeiro.com.br/peca.asp?ID=221432&ctd=35&tot=279&tipo=